Amazon MP3 Clips

terça-feira, dezembro 29, 2009

AOS AMIGOS

Estou de passagem, por isso não me faças sofrer neste pouco tempo que passo aqui, deixa-me levar as melhores recordações deste lugar e dos momentos únicos que passei contigo...
Estou de passagem, por isso não te zangues comigo quando eu errar, o tempo que temos é tão escasso... diverte-te a ensinar-me o melhor de ti e o melhor de mim, se me corrigires ao invés de te zangares o tempo será passado de forma mais divertida e aprenderemos algo...
Estou de passagem, por isso dá-me o teu melhor e leva o meu melhor, deixa cair a máscara para quando eu me lembrar de ti não veja alguém perfeito mas sim, uma pessoa única e autêntica...
Estou de passagem, por isso vem conhecer-me e não me julgues pela aparência porque quem está de passagem não tem tempo para cuidar da imagem...
Estou de passagem, trago algo e certamente, levarei algo comigo...
Estou de passagem, e por isso mesmo pergunta-me tudo o que o teu coração quiser saber sobre o meu...
Estou de passagem, por isso diz-me tudo o que sempre tiveste vontade de dizer e faz comigo o que sempre quiseste fazer, porque eu estou só de passagem e em breve vou partir e a amizade não tem tempo a perder...
Estás de passagem, inventa um novo mundo, salta, chora, ri, sorri, canta, dança e espalha magia, porque estás de passagem e em breve irás partir e eu estou de passagem e em breve irei partir...para onde vamos eu não te sei dizer e, provavelmente, partiremos em alturas diferentes, o que implica uma separação, e é isto que me faz sofrer...
Ao pensar em tudo isto tenho vontade de chorar, saudade de ti, da vida e do nosso lugar...
Amigo(a) tenho de te dizer que és importante para mim, tenho de te dizer o que eu não sei explicar e não posso dizer, porque estou só de passagem e a amizade não tem tempo a perder...


Do coração a todos os meus amigos que tornam mágica a minha viagem, abraço da amiga Ana Rita...

terça-feira, dezembro 15, 2009

É bom sentir

Não sei bem o que é...é aquela «coisa» que se sente...será saudade? será vazio? uma alegria que não cabe dentro de mim? Não sei definir...
Eis o que sinto quando Re-cordo momentos felizes: medo de os perder, medo de não voltar a ser feliz, vontade de chorar, de gritar, sorrir...de recordar aquele momento e ficar ali a olhar para o passado enternamente, vontade de... não sei. Depois choro e o coração aperta como se quisesse rasgar-me o peito...
Não posso ficar parada face a esta mistura de sentimentos!
 A concentração fugiu, é preciso escrever, falar com alguém, cantar e dançar e o melhor de tudo é poder rezar e festejar porque aquele momento existiu. Esse momento é já parte da história da minha vida e da vida de quem o viveu mas também, faz parte da história da vida de quem o sonhou e continua a sonhar e fica extasiada só de o recordar. É história aquele momento de quem não o esqueceu e não deixará de existir pois vive na minha memória e sinto-o lá longe (no tempo), mas dentro de mim e nunca deixará de ser aquele momento que está mesmo aqui...

sexta-feira, dezembro 11, 2009

Simplesmente não posso

Não percebes
não vês, não aceitas
mas sem isso eu não feliz,
eu não posso ser feliz,
eu não sei ser feliz!
É O QUE ME DÁ VIDA, me faz rir, chorar e cantar!
E desculpa, mãe, desiludir-te, mas continuarei sempre a amar, e este grito que trago dentro dirá sempre: É O QUE ME FAZ FELIZ!

quarta-feira, dezembro 02, 2009

domingo, novembro 15, 2009

Dançámos

Dançámos,
abraçados na escuridão,
no deserto, no meio da multidão...

Dançámos, de dia e à noite
e tudo me lembra dessa dança!

Dançámos na estrada,
na praia, no mar...
Dançámos no céu, numa nuvem
e nas estrelas do teu olhar

Dançámos à chuva,
e à chuva foi o
primeiro beijo
e,à chuva fomos felizes
porque dançámos.

Re-encontro

a chuva que beija o teu corpo
e a terra que te prende a alma
a natureza diz-me que não estás morto
mas o coração, esse não se acalma

as tuas pegadas desapareceram,
já não encontro os teus passos
e o mundo é uma tesoura que corta
um por um,todos os nossos laços

voamos nesse azul,
no azul do céu!

O céu, o azul,
a chuva e o sol,
a terra e o ar
que respiravas...

Ah como dói,
saber que tivemos
o mundo na mão.
Que até o arco-íris
foi nosso e, as estrelas
dançaram ao som do nosso coração...

Sou a chuva que te beija o corpo
sou a brisa que te envolve e acalma,
quem dera não estivesses morto meu amor,
que só tua é a minh'alma!

E o sonho não sonhdado
de quem um dia quis voar
o amor jamais apagado dos
que um dia se vão encontrar

quinta-feira, novembro 12, 2009

«nova mensagem»

Estava a ver o meu blog e reparei na opção «nova mensagem», fiquei bloqueada a olhar para lá, a pensar no que significa, estranho? Talvez não tanto assim. É que foi a primeira vez que reparei que cada vez que publico uma «nova mensagem», estou a tornar público algo e, não queria que fosse algo banal,queria que fosse útil, necessário, que transmitisse isso mesmo, uma mensagem mas, uma mensagem com sentido, que despertasse emoções, que fizesse reflectir, que ensinasse algo... e cheguei à conclusão que a única característica que as mensagens que publico têm, é serem minhas. As mesagens são minhas porque sou eu que as publico, porque escolho imagens, escolho textos e, na maioria das vezes, sou eu que os escrevo, então são minhas, fazem parte de mim, então são Eu, porque sem elas já não seria Eu. E, ao publicá-las, passam a ser nossas! Enfim, agora pensando melhor, estas mensagens despertam emoções, são úteis e necessárias mesmo que só para mim, ou para alguns, mas são e fico feliz por isso.
Bem, espero que quem gere blogues ou está a pensar iniciar-se neste ramo retanha algo importante: cada mensagensagem é um fragmneto do Eu, do tu, do nós, mesmo que infinitesimal, é sempre complementar mas, mais que isso, essencial!
E é por isso que não é justo para ninguém publicar uma coisa qualquer mas sim algo que seja importante e que mereça ser partinhado. Que cada novo post seja um acto de amor!

quarta-feira, novembro 11, 2009

Rasgar as palavras

Quero o silêncio
e sonho com o dia em
que vou rasgar as palavras
Há algo que nasceu dentro de mim
e não tarda saltará cá p'rá fora!

Vai inromper a qualquer momento,
arrombando assim as portas do coração,
partindo o telhado de vidro,
ferindo a carne, com tantos vidros no chão...

A casa vem a baixo
porque a menina gritou,
nunca importa aquilo que que eu acho
mas o meu momento,esse finalmente chegou!

Há pó para fazer barro
e mãos para trabalhar,
sei bem que amar sai caro
mas a vida pode sempre mudar

A casa veio a baixo
porque a menina gritou,
nunca importou aquilo que acho,
mas o meu momento, finalmente chegou!

O momento é meu,
sempre o foi, desde que nasci
porém, alguém o roubou e, não
rouba mais só porque cresci

Pensei que o objectivo
era uma casa construir
mas, se usei os materiais errados,
vou sempre a tempo de desistir...

A casa veio a baixo
o mundo silenciou
ficou o vento, fumo
e sombra quente,
onde o meu amor andou!

Sempre lá estive mas,
nunca lá vivi
a primeira vez que
entrei foi hoje,
a saber o que destrui

Vejo ruínas, fumo, fogo
e sombra
Faz frio, faz calor...
Piso os vidros e a alma sangra
um líquido que não tem cor

A casa caiu porque
um anjo chorou,
e a menina fugiu,
finalmente gritou!

Provei a vida e foi difícil
que bem mais facil seria morrer
Risquei o teu nome da parede,
foi estranho, fez-me sofrer...

Os muros ruiram
as paredes caíram
a casa toda tombou
mas as janelas abriram
e o meu amor entrou

Abriram de par em par
não porque a menina gritou
mas, para o meu amor entrar
que foi minh'alma quem o chamou!

quinta-feira, novembro 05, 2009

chamem-lhe o que entenderem, será a Vida uma corrida?

Uma corrida contra o tempo, uma corrida atrás da moda, atrás dos outros, atrás da amiga bonita, atrás do rapaz inteligente, atás de uma oportunidade de subir na vida, atrás de dinheiro, de alguém que nos ame... apenas uma corrida...
«A vida é feita de corridas» e, onde estão as corridas pelo amor, pela justiça, pela paz, pela felicidade? Não sei, parece-me que já ninguém sabe o que isso é.
Andam todos a correr de um lado para o outro atrás de objectos supérfulos, de falsas alegrias e suam, ah como suam estes estranhos seres! E tão ocupados que estão nestas corridas, que muitas vezes se transformam em guerras, que acabam por sufocar neste odor nauseabundo de transpiração e esquecem. Sim, esquecem-se de que é o Amor aquele banho refrescante de que todos precisam. Mas qual quê? Perder tempo a tomar banho enquanto há tanto porque lutar e tanto para correr?
E depois, morrem-me pelo caminho só com o cheiro a podre que vai naqueles pobres corações!
Então? Hoje não me vens chatear? Estava à tua espera e nem um sinal de ti... que se passará?
Habituei-me a ter-te aqui todos os dias, todas as noites, sempre...e, tudo o que queria era que me deixasses, agora, que não me chateias, tenho saudades tuas. Custa-me admitir mas é verdade.
Porque mesmo quando eras chato importavas-te comigo, gostavas de mim e, sem me aperceber, aos poucos fui gostando de ti. E, agora, que não me vens mais importunar, tenho o coração cheio de saudade, acredita começou hoje a chorar!
Esta ausÊncia de ti...(criar laços faz sofrer!)

amigos, eu tenho saudades vossas e onde quer que estejam, serão sempre especiais, no espaço e no tempo, no meu coração...

terça-feira, novembro 03, 2009

«doda»

Esta vontade de gritar que te amo ao mundo inteiro prende-me mais a ti, recorda-me esses olhos, esse sorriso, o teu cheiro...
Quanto mais eu fujo mais tu fazes sentido, perdi o norte, quiçá o juízo e por estranho que pareça sou feliz nesta minha loucura que me mata lentamente. A razão fala bem alto mas o coração, esse bandido, é desobediente e transparente, só faz o que eu quero secretamente.
Escrevo o teu nome na parede e mesmo assim continuas segredo, já não sei que há-de ser de mim, só sei que de te perder eu tenho muito medo!
Encontro-me assim, totalmente dependente de ti, oh estupidez!
Já não como, já não durmo, não penso, só sei amar, será bom? A razão diz que não mas, para o coração é assunto indiscutível pois, ele nada diz, simplesmente sente.
Digo para mim mesma que és mentira mas se olhar para dentro lá continua o meu segredo, o meu amor, o meu tudo...qual verdade absoluta!
E assim vou vivendo e morrendo de amor e dor, de alegria e tristeza, cantando e chorando, vendo-te em cada nuvem, em cada gota de chuva, em cada pincelada de azul neste céu, em cada vez que contemplo a lua, eu sei que mesmo não querendo tu estás comigo, não porque eu o queira mas porque o coração obriga!

domingo, outubro 04, 2009

Hoje não sei bem o que escrever... decerto que também já te aconteceu andares à toa com as palavras, teres o conhecimento mas não saberes o que fazer com elas. Pensava que teria as respostas na ponta da língua, que as palavras fluiriam como água na corrente, mas não! Hoje é diferente.
Quem me conhece sabe que tenho graves problemas de expressão, que nem sempre sei dizer o que precisam de ouvir ou digo o que me vai no coração, sabem também, que sinto x mas digo y, não o faço intencionalmente, é algo incosciênte e, assim ninguém percebe aquilo que sou e eu não consigo transmitir a mensagem passando sempre as ideias erras. Hoje, pela primeira vez em consciência queria fugir a isso, não dizer algo bonito ou interessante, não rimar e combinar palavras mas sim, em vez de usar a lógica nas palavras, sincronizar a emoção com os sentidos!
Então, que digo eu hoje? melhor, que sinto eu hoje?
- Eu sinto que sou um ser vazio,que luto por algo que não existe, que procuro a felicidade no sítio errado, que acabo por fazer sempre aquilo que não quero, que tenho medo de dizer o que penso, que tenho medo de vos desapontar, que me sinto simplesmente diferente de mim, que não tenho sentimentos, nunca ouso lutar por quilo em que acredito com medo de que não seja isso que sonharam para mim, que não ouso sequer dizer em segredo o meu secreto sonho e que assim vos culpo de me roubarem a audácia de sonhar. Sinto que não vos deveria culpar e que talvez deveria deixar de ter medo, não, melhor, continuar com esse medo mas tentar vence-lo e dizer-te o que sinto, o que quero, em que é que acredito e que se a vida nem sempre é como sonhamos, talvez seja melhor viver o meu sonho e não o vosso! Desculpem

sexta-feira, setembro 25, 2009

«...na falta do que fazer, inveitei a minha li-ber-da-de!»

quinta-feira, setembro 24, 2009

Sonhar faz bem

Um novo sonho!
é hora de sonhar,
entrar noutra dimensão,
onde quem se arrisca
é capaz de voar!

contemplas as estrelas do céu
mas dentro de ti também tens
uma estrela a brilhar
um sonho que move montanhas
um grande vontade dos amigos ajudar

Um mundo que é só teu
onde mais ninguém pode entrar
tens magia dentro de ti
e no meu coração um lugar!

é um mundo só teu
quem dera que assim fosse
a realidade
aqui fica um beijo meu
de quem te quer bem de verdade!

O melhor momento é agora!

Há momentos pelos quais esperamos a vida toda...todos nós esperamos algo...mas será que fazemos alguma coisa para encontrar o que tanto procuramos? Então! Porque perdes tempo em frente à televisão? Porque lês revstas cor-de-rosa e criticas os demais?
Será isto uma forma de esconder aquilo que sentes? O teu amor e o teu sofrimento? Esperas pelo quê para começares a viver?
Procura melhor e talvez noutros sítios, locais mais certos.
Não quero que morras sem teres vivido! Faz-te um favor! Experimenta a novidade, «primeiro estranha-se, depois entranha-se!», e mesmo que a tua mente estranhe, se for familiar ao teu coração, abre-te a ela! Talvez não encontres aquilo que queres mas sim, tudo aquilo de que precisas.
Tristezas para quê? Olha à tua volta, mas olha bem, com o coração e depois responde!
Deixo-te um conselho: recusa a felicidade, ouve o pedido do coração, aquele que bate lá no fundo como uma música.
Não tenhas medo de arriscar, a vida tem tantas coisas boas e eu sei que tu as vês! Porque é que finges que elas não existem?

quinta-feira, setembro 03, 2009

Veritatis

A verdade é crime,
é ódio e paixão.
A verdade é injustiça,
maldade e incompreensão.
A verdade é ganância,
pecado e fingimento.
A verdade tornou-se em ingnorância
ou até mesmo em falta de discernimento.
A verdade tornou-se em tudo menos na verdade!
E para falar a verdade, a verdade
agora é mentira.

O honesto tornou-se mentiroso,
o trabalhador é um perguiçoso.
Para falar a verdade o que
está a dar é ser sincero a mentir!
Que não há maior fingimento
que matar uma lágrima que nos quer fugir!

Estás vivo!

"A vida é tão simples. Tão igual para todos. Não há pessoas diferentes, não há heróis nem famosos que se distingam dos pobres e imperceptíveis. Todos erramos. Todos sofremos. Todos temos uma vida nas mãos. O maior peso e responsabilidade que nos deram logo no primeiro sopro. Depende sim de nós cuidar de cada pedaço que nos foi concebido. Dar sabor à vida, cor e sentido. Não basta carrega-la as costas e suportar uma tonelada de mal entendidos. O corpo é tão frágil. O coração é tão sensível. Assume que erraste, chora e sofre. Aprende a perdoar na altura certa, acredita, a altura certa existe. Quando a dor que sentes é tão grande e insuportável que a queres arrancar de ti a todo o custo. O momento certo é quando precisas de te sentir bem. Se perdoaste e não o devias ter feito, deixa, a vida encarregar-se-á de to mostrar. Tudo acontece por uma razão. A razão da pura existência de ser humanos que se auto mutilam com actos irresponsáveis e mal pensados. Não és mais fraco porque cedeste, porque acreditaste. Se não acreditares a vida deixa de fazer sentido. Se depois de sofreres, voltaste a sofrer, não te arrependas do sim em vez do não. Fazemos tudo em função do nosso bem-estar. Por vezes deveríamos usar muito mais a cabeça, evitando o sofrimento. Mas muitas vezes a cabeça apodera-se do sentimento. Sentes que não merecias, talvez tenhas razão, mas mesmo assim perdoaram-te. Dá valor aos que te seguram a mão e te mostram o caminho certo. Se optares pelo errado, mais tarde saberás. A decisão é tua. Os outros falam, os outros pensam, mas és tu que sentes. Quando és tu que choras, quando és tu que te debruças sobre uma cama procurando solução. As soluções surgem sempre, por mais difíceis ou inconscientes. O que importa é que tudo tem explicação. Sabes ouvi-la? Escuta a vida, ela fala contigo todos os dias. Todos os dias aprendes. Veste a roupa que tanto gostas e bota o perfume mais caro que guardaste para aquele dia. Vai à luta, mesmo que tropeces ou te magoes. Se não arriscares nunca saberás. Amanhã nada te garante que o teu sopro de vida não acabará. Sai de casa, bebe um shot, diz aos teus melhores amigos que os adoras, diz aquele que te completa o quanto o amas, agradece aos teus pais, bate palmas e salta. Estás vivo. "

Há que ser forte!

Força não é pegar
num objecto pesado!
É amar em todas
as situações, mesmo
que estas não sejam
do nosso agrado!

sexta-feira, agosto 28, 2009

::)

«Just because I'm loosing, doesn´t meen I'm lost!»

domingo, agosto 02, 2009

A pedra está inserida numa parede, tal como eu estou inserida neste mundo.
Se me perguntarem se eu gostava de ser uma pedra ao invés do ser miserável que sou, eu respoderia a pedra. Uma pedra não sente, uma pedra não tem preocupações nem responsabilidades e, muito menos, carrega o fardo da dura existência!
Porém, poderia também responder que prefiro ser o que sou (dependem da minha disposição no momento da pergunta), ter o privilégio da vida, da existência, do pensamento, da dor, da amizade, da opressão, da liberdade, do amor...e até de poder contemplar esta pedra tão invulgar!
Sim...esta pedra é invulgar porque tem um rosto e está inserida numa parede, mas a pedra vai para além disso, é constituída por minerais e tem uma história própria!
´Também nós, miseráveis e brilhantes, estamos presos a este mundo em que, o que interessa é o nosso rosto, quando na verdade deveria ser os minerais que nos constituem!
O ser humano define-se pelos seuS actos, pela sua história e pelos seus «minerais» e não, pelo seu rosto.

Se a pedra quiser poderá sair dessa parede, ganhar um sorriso no rosto e voar!

segunda-feira, julho 13, 2009



«O céu está cinzento e pérola para o lado do mar, mas, por cima dos cabeços que o defrontam, espalha-se lentamente uma cor de sangue aguado, depois vivo e vivíssimo, e em pouco virá o dia, oiro e azul, que a estação corre formosa».


By: JosÉ Saramago

«Dormiu cada qual como pôde, com os seus próprios e secretos sonhos, que os sonhos são como as pessoas, acaso parecidos, mas nunca iguais, tão pouco rigoroso seria dizer Vi um homem, como Sonhei com a água a correr, não chega isto para sabermos que homem era nem que água corria, a água que correu no sonho é água só do sonhador, não sabemos o que ela significa ao correr se não soubermos que sonhador é esse,»

By: José Saramago



«O que os homens mais invejam nos deuses é a imortalidade

Já dizia o outro que: «todos querem ir para o céu mas ninguém quer morrer!», isto é uma grande verdade, ninguém quer morrer, ninguém quer acabar e quem o quer, quere-o pelo simples facto de acreditar que a morte é uma libertação, uma continuação da vida.
Falar da morte, de deuses, de imortalidade...nem sempre é uma tarefa fácil, pois mexe com o abstracto, com o mais íntimo das preocupações universais do ser humano então, abstraí-me para abordar este tema, fui até ao fundo do poço e trouxe ao de cima a essência descamada e desclamufada, a verdadeira preocupação a realidade desmentida do que pensamos e de como agimos.
Se pararmos para pensar, muitas pessoas temem a Deus com a esperança da vida eterna, da felicidade e da salvação. Eu penso que este erro é gravérrimo, mas bastante comum. De que nos serve estar à espera que Deus nos salve se não nos libertamos a nós próprios? Esperamos que Deus nos ressucite e ficamos para aqui à espera sem fazer nada.
Ultimamente, tenho reparado que as preocupações das pessoas não são amar a Deus, amar os outros ou praticar o bem mas sim, fazer uma boa acção mal intencionada de quando em vez e ficar aqui a gravitacionar apaticamente à espera de ir para junto de Deus o mais rápido possível. Defendo que, como o outro dizia: «é ridículo pedrirmos aos deuses aquilo que conseguimos fazer sozinhos». Enfim, não falarei mais na religião pois tinha aqui pano para mangas, vou tentar pegar noutros exemplos a explicar a afirmação: «o que os homens mais invejam nos deuses é a imortalidade».
Certamente que todos reparamos que, todos nós queremos deixar o nosso testemunho na «Terra», fazer História, seja esse testemunho uma filosofia de vida, uma obra de arte ou até mesmo um filho, o que importa é deixar uma parte de nós neste mundo, quando morrermos.
Os homens preocupam-se com a morte e pensam nela, muitos deles matam. Todos pensamos na morte porque sabemos que a vida tem um valor incalculável, amamo-la e não a queremos perder. Ora aqui esta mais um erro e descubro que na vida não fazemos mais nada do que errar.
Ao invés de querermos ser imortais e vivermos presos ao pensamento da morte, deveríamos preocuparmo-nos antes com os erros que cometemos, com a melhor forma de viver e com aquilo que queremos fazer com a nossa vida.
Na minha opinião pessoal, a morte é o mistério dos mistérios, por isso é que há tanto barulho à volta dela e, outras vezes, um silêncio de cortar a rspiração. Damos tudo por certo quando a morte é uma certeza incerta e a vida é um presente irrepetível, que nós temos a ousadia de deitar borda fora. Sim, eu também penso na morte, adorava saber seguir aquilo que disse neste texto mas a minha parte humana não mo permite no entanto, é por saber que a morte existe que devo lembrar-me que a vida também existe e, sem vida não haveria morte, sem morte não existiria vida.
Sim, é imperativo encontrar o sentido da nossa vida, quem não o faz já está morto. Há diversas formas de estar morto, estando, não estando, não sendo...
Os homens esquecem-se da sua fragilidade humana e imperfeição, julgam-se deuses e, querem ser imortais porque estão completamente perdidos, se se encontrassem não se preocupariam mais com isso.
Será que isto valerá a pena? -Olho pela janela e sinto que sim. Foi nesse momento que deixei de invejar os deuses e percebi que há coisas mais interessantes e divertidas para fazer!

By: Rita Dias